feliz pascoa na gaspoint

inc_menu

Ver nosso registro no site do INMETRO

Veja aqui nosso registro no INMETRO

.:: O que é variador de avanço? Para que serve?  

Reduz a perda de potência e a possibilidade de retorno de chama ( back fire ) através da correção do momento da faísca (ponto de ignição), adequando-o ao uso do GNV.

Existem dois tipos de variador, o MAP/MAF (menos eficiente (e mais barato) e o Fônico (mais eficiente e mais caro).

O MAP não pode ser usado em carros carburados, daí muitos "entendidos" dizerem que não é possível usar variador neste tipo de carro, afinal suas prateleiras estão cheias de variadores MAP que são baratinhos. Já o fônico, pode ser usado em qualquer carro que possua módulo de ignição eletrônica, inclusive carburados. Então, carros que não têm módulo, como um velho Fusca com platinado ou um Niva, que coincidentemente são carros carburados, só poderão receber um variador depois que o velho platina for substituído por um módulo de ignição eletrônica.

Para a maioria das pessoas, saber o que eu disse até aqui já fecha o assunto, mas se você é daqueles sedentos de detalhes, continue lendo...

Variador de avanço fônico Tury

O motor de um veículo possui um ciclo, o pistão sobe e desce duas vezes a cada explosão. Na primeira vez ele desce com a válvula de admissão aberta o que provoca uma depressão que suga a mistura ar/combustível para dentro da câmara de combustão. Logo em seguida, a válvula se fecha e o pistão sobe comprimindo esta mistura, momento este em que o módulo de injeção “manda” a bobina produzir a faísca que finalmente queima a mistura provocando uma explosão. A força desta explosão impulsiona o pistão para baixo e no seu retorno, a válvula de exaustão se abre expulsando os gases pelo cano do escapamento. Quando o pistão atinge o ponto máximo superior novamente, a válvula se fecha e o ciclo recomeça. Vemos que o ciclo se dividiu em quatro etapas, daí o nome do motor: Quatro Tempos.

O problema então começa por um fato físico: O GNV possui uma velocidade de queima SETENTA VEZES inferior àquela da gasolina, isto significa que quando a mistura gás/ar incendeia na câmara de combustão e empurra o pistão para baixo, antes que a totalidade da mistura pegue fogo, o pistão já deu a volta, a válvula se abre e os gases começam a ser empurrados para fora. A questão é que devido à velocidade de queima uma parte destes gases não tem tempo hábil para terminar a queima e terminam sendo expulsos pelo escapamento ainda em combustão. O resultado é que a explosão é mais fraca do que poderia ser e consequentemente o carro perde potência .

Além disto, a falta do variador pode ocasionar um outro grave problema, o back fire , isto acontece porque existe um determinado instante em que tanto a válvula de admissão quanto a de escape estão abertas ao mesmo tempo, ao final do ciclo.
Se neste momento há combustível em chamas dentro da câmara (devido a queima ser mais lenta), o combustível que está dentro do coletor entra em contato com ele, iniciando um processo de explosão que acontece dentro do coletor, podendo inclusive rompe-lo. Com o uso do variador, aumenta-se o tempo disponível para queima e quando chega o momento em que ambas as válvulas estão abertas, não há mais combustível em chamas, e o back fire não acontece.

Como resolver este dilema? Adiantando-se o ponto de ignição, cria-se mais tempo hábil para que a mistura queime da forma mais generalizada possível antes que o pistão comece a subir novamente aproveitando a força gerada pela explosão ao máximo e consequentemente perdendo-se menos potência. Além disto, a antecipação do momento da explosão gera um aumento virtual da taxa de compressão já que o pistão está prestes a terminar a subida completa até o PMS quando a explosão acontece.

Para adiantar o ponto de ignição existem então duas formas diferentes:

Variação de ponto MAP /MAF: Este sistema utiliza as informações de variação de tensão obtidas no sensor MAP (ou MAF) que fica no coletor de admissão do veículo. Conforme muda o valor da depressão o sensor muda a tensão que é informada ao módulo de injeção eletrônica e este se encarrega de executar as variações necessárias no ponto de ignição. A limitação deste sistema é que a correção não vai além do que o módulo de injeção é capaz de atender e além disto, a correção pode sofrer flutuação devido às variações de depressão que não estão diretamente ligadas à rotação do motor.

Variação de ponto fônica ou de bobina : Este sistema encontrado nos kits gerenciados mais modernos, atua diretamente no ponto de ignição e é configurável atendendo com bastante precisão diversos possíveis ângulos de avanço, desligamento automático na marcha lenta, variação progressiva, etc. Independe da depressão do coletor pois está conectado ao sensor da roda fônica no volante (do motor) do carro ou diretamente à bobina.
Pode ser utilizado inclusive em carros carburados desde que este possua um módulo de ignição eletrônica ao invés do antigo platinado.

O variador de avanço será o responsável direto pelo aumento de potência no uso do GNV e principalmente pela redução da possibilidade de back fire já que aumentando-se o tempo hábil para a queima do combustível, o risco de termos uma sobra de gás queimando dentro da câmara de combustão no momento da abertura da válvula de admissão reduz-se drasticamente. Esta é a principal causa deste efeito indesejado.

Conclusão: Variador de avanço é muito bom, seu carro fica mais forte e mais econômico. Funciona em praticamente todos os carros inclusive carburados. Somente alguns modelos não podem receber o equipamento. Consulte a GásPoint.

Silvio Carlos – Corpo Técnico Gás Point

Veja mais detalhes nos links abaixo.

Twit This!

 
 
 

 
 


Gás Point - FlashPoint Com. de Pneus, Autopeças e Serviços Ltda - direitos reservados - Fale conosco - Twitter