feliz pascoa na gaspoint

inc_menu

Ver nosso registro no site do INMETRO

Veja aqui nosso registro no INMETRO

.:: GNV v.s. Garantia - uma análise honesta

Por que alguns vendedores das concessionárias desaconselham a instalação do kit gás em veículos novos?

O quadro chega a assustar, você fez um investimento para economizar, instalando um kit gás, e depois de algum tempo rodando, seu carro quebra misteriosamente...

Que bom que está na garantia!

Dentro da oficina da concessionária, o vinho vira vinagre; o mecânico chefe abre o capô, dá uma olhadinha lá dentro e solta:

- Xiii, carro a gás? nem coloco a mão... perdeu a garantia!

E agora? Como fica sua cara? Você nem sequer sabe o que aconteceu com seu motor, e a concessionária se nega a atende-lo.
Você se vê obrigado a procurar um mecânico e descobre que seu carro teve um problema qualquer que muito provavelmente*, nem tinha relação alguma com o uso do GNV.

*Obs: Esta "probabilidade" é diretamente proporcional à qualidade da conversão feita . Não espere que um kit baratinho convertido numa oficina de qualidade duvidosa, não vá provocar danos ao seu carro, só porque o combustível GNV é de ótima qualidade. Procure olhar muito bem onde pisa na hora de escolher a convertedora, especialmente se seu carro é novo e está na garantia.

Por que tamanha injustiça?

A indústria automobilística mostra sua preocupação com a qualidade da instalação de kits GNV especialmente em veículos ditos mais delicados como é o caso das francesas Citroen, Renault e Peugeot. Os engenheiros conhecem as complexidades dos motores destes veículos e na quase totalidade das vezes desaconselham a instalação por temer uma conversão mal feita.
Estou sendo otimista ao dizer isto, pois é mais fácil desaconselhar a instalação do que correr o risco de recomendar uma convertedora sem conhecer profundamente a qualidade de seus serviços, afinal aquelas realmente habilitadas a fazer um trabalho de qualidade são uma raridade no mercado.

O que a GásPoint sabe

Pessoalmente, sou obrigado a concordar com estes técnicos e engenheiros, pois o risco que uma instalação feita sem os devidos cuidados são consideráveis, especialmente em casos de veículos equipados com coletores plásticos ou câmbio automático . Trata-se de uma instalação que pede mais tempo de oficina e requer uma atenção especial à sintonia e ajuste do equipamento.
Se a oficina for “impaciente” e deixar de dedicar o tempo necessário ao processo como um todo, o resultado poderá ser até uma explosão no coletor conhecida como “back fire”. Estas explosões são causadas por fatores negativos que isoladamente não representam grande perigo, porém quando acontecem simultaneamente, o problema pode ser sério, podendo até provocar a quebra do coletor. Assim, falhas de ignição associadas a erros no ajuste do controle de fluxo no GNV podem se transformar no gatilho de um back fire capaz até de provocar a ruptura do coletor de admissão plástico.
Outro problema bem mais grave, observado nas conversões de baixa qualidade, é a queima de juntas de cabeçote, ou sede de válvulas e demais defeitos causados por temperatura excessiva na câmara de combustão.
Estes defeitos são causados por uso de mistura pobre, o que normalmente está associado a instalação de sistemas de segunda geração, especialmente em carros equipados com injeção eletrônica (que deveriam no mínimo receber kits de 3ª geração; já estamos na quinta!)

Naturalmente o problema tem solução e oficinas com um perfil mais técnico são capazes de fazer os ajustes necessários com bons resultados. Não é apenas uma questão de ajuste, o cliente deve estar atento à qualidade dos componentes utilizados onde muitas vezes o barato sai caro.

Como se resguardar

Quando se procura uma convertedora, deve-se buscar o máximo de informações técnicas e não apenas preço , estando atento à capacitação técnica do pessoal a priori do volume de conversões ou do tamanho da oficina. Conversões baratinhas também são perigosas, elas significam utilização de componentes de menor qualidade e consequente aumento do risco de problemas. Este tempo extra de carinho pelo veículo fará toda a diferença no perfeito funcionamento de veículos mais “delicados”.

As fábricas começam a abrir os olhos

É importante lembrar também que o uso de GNV vem se tornando uma exigência do consumidor, inclusive de veículos novos e pensando nisto, várias montadoras já estão se mobilizando para oferecer a possibilidade aos seus clientes. Isto é uma prova cabal de que o combustível gás natural é completamente viável, afinal, se assim não fosse, não teríamos, por exemplo, 40% da frota italiana de veículos andando a GNV.

O clamor pela garantia é comum, as pessoas querem economizar no combustível ou simplesmente dispor de um carro que polua menos, mas esbarram no problema.
Empresas como a Fiat e mais recentemente, a Ford já estão comercializando veículos originais movidos a GNV, mantendo o garantia de fábrica.
No caso desta última, a Ranger GNV é convertida com garantia original, aqui na GásPoint, que é uma oficina convertedora autorizada .

Os equipamentos utilizados nestes veículos, são sistemas de injeção eletrônica sequencial multiponto. Trata-se da última geração em equipamentos GNV e são sistemas inquestionáveis do ponto de vista viabilidade técnica.
Estes equipamentos estão muito além, em termos tecnológicos e de segurança, dos antigos kits tradicionais de 3ª geração, o que torna a questão garantia, um problema menor, ou seja, com um sistema moderno, não há como um carro sofrer algum dano provocado pelo Kit Gás e caso algo ocorra, a oficina precisa provar que a quebra foi causada pelo kit.

Na real

Assim, vou dar um exemplo recente: uma concessionária Ford recomenda a GásPoint para a instalação de um sistema de injeção eletrônica multiponto em um Ford Ecosport zerinho. O equipamento é idêntico àquele que a própria Ford dá garantia quando instalado na Ranger; a GásPoint é uma convertedora autorizada Ford para a conversão com este equipamento. Se este carro tiver um problema de motor, como fica a garantia?
Em tese, o Ecosport perdeu a garantia e todos sabemos disto, porém a situação aqui é muito diferente de instalar um kit gás barato em uma convertedora não autorizada. Acredito que no caso acima, a concessionária atenderá o cliente normalmente mesmo diante de uma quebra do motor, investigando a verdadeira causa e conserta-lo na garantia.

- Você me garante isto? (pergunta o cliente)

- Não, isto é apenas uma opinião sensata, mas não tem poder de garantia.

Conclusão

Na verdade, a preocupação das montadoras não é com o combustível (o GNV é sem dúvida o melhor combustível atual ) e sim com a qualidade técnica da instalação. Sabemos que o mercado de instalação de GNV no Brasil ainda deixa muito a desejar neste quesito, e conversões de má qualidade são muito comuns, as pessoas ainda estão muito mal informadas e muitas preocupam-se exclusivamente com o preço, quero dizer, como pode alguém gastar mais de R$50.000,00 com um carro e preterir um equipamento de última geração por uma diferença de R$2.000,00?
Infelizmente ainda existem muitas convertedoras que sequer sabem como funciona um sistema de gerenciamento eletrônico, ou sequer possuem um computador para calibrar um equipamento. Elas empurram equipamentos baratos para os clientes sem maiores explicações e depois que os problemas aparecem, justificam culpando o carro ou até mesmo o dono.
Estas empresas estão pouco a pouco perdendo lugar no mercado para outras mais especializadas e mais profissionais. Por isto, caro consumidor, fique atento: conversão GNV é coisa séria e quase na totalidade dos casos, o barato sai caro, muito caro.

Silvio Carlos – corpo técnico Gás Point.

Twit This!

 


Gás Point - FlashPoint Com. de Pneus, Autopeças e Serviços Ltda - direitos reservados - Fale conosco - Twitter